Campeonato mundial de rafting: saiba mais sobre essa incrível modalidade

6 minutos para ler

O Rafting é um esporte considerado radical e vem crescendo a cada dia. Além de servir para deixar corpo e mente mais saudáveis, ele pode ser um importante instrumento para a união dos colaboradores de uma empresa. O seu potencial é tão grande que existe até um Campeonato Mundial de Rafting. Você já ouviu falar?

A competição foi criada no ano de 1989 por meio do projeto RAFT. É um evento que movimenta milhões de pessoas e equipes. Inclusive, um grupo brasileiro ganhou uma categoria em 2015.

Viu só? O Campeonato Mundial de Rafting reserva muitas histórias interessantes! Quer conhecê-las? Então, continue a leitura e aprenda mais!

Qual é a história do Campeonato Mundial de Rafting?

Segundo o site da Federação Internacional de Rafting (IRF), ele foi criado nos eventos internacionais pelo Projeto RAFT, no qual 50 equipes competiram em várias modalidades. Elas incluíam Slalom e Downriver no rio Chuya (Sibéria) em 1989, no rio Nanthala (EUA) em 1990, Reventazón e Pacuare (Costa Rica) em 1991 e rio Çoruh (Turquia) no ano de 1993.

O Projeto RAFT (Russos e Americanos para Trabalho em Equipe) foi fundado pelos guias fluviais californianos Jib Ellison e Mike Grant. Porém, só os três últimos eventos — em Costa Rica (1998), no Rio Orange na África do Sul (1999) e no rio Futalefu no Chile (2000) — tiveram status de campeonatos mundiais. Por esse motivo, as equipes tiveram que se qualificar por meio de competições nos níveis nacional e continental, que são coordenadas juntos com a IRF.

No ano de 2000, a IRF resolveu que o evento seria realizado a cada dois anos e eliminou as etapas continentais para facilitar o desenvolvimento do esporte internacionalmente. Em 2010, foi realizado o primeiro Campeonato Mundial de R4 (4-man raft), que agora alterna anualmente com o Campeonato Mundial de R6.

O que acontece na competição?

Para participar do Campeonato Mundial de Rafting é necessário que os grupos sejam selecionadas pelas federações nacionais por meio de competições. A equipe masculina e a feminina que ficarem nas melhores posições podem participar. Cada equipe deve ter seis remadores e um reserva para o R6. Já para o R4, são necessários quatro atletas e um reserva.

As competições são divididas em quatro modalidades: Sprint, Head-to-Head (H2H), Slalom e Downriver. Os pontos ganhos em cada uma são somados para determinar o vencedor geral e as posições finais.

Sprint

É uma prova considerada rápida para as equipes. Tem uma distância relativamente curta, que pode ser percorrida em dois ou três minutos de remada, e conta como 10% dos pontos totais. É sempre feita primeiro e as equipes completam o percurso uma de cada vez, ou seja, o que vale é quem faz em menos tempo e não quem chega antes.

H2H

É considerada uma das modalidades mais excitantes visualmente, pois coloca duas equipes juntas em uma corrida acelerada até a linha de chegada. Também tem uma distância curta e normalmente leva de dois a três minutos para terminar o percurso. Os times disputam juntos com o que teve o melhor tempo na Sprint. Essa prova soma 20% do total de pontos e é eliminatória. Os vencedores de cada rodada seguem para a próxima, restando apenas dois para a final.

Slalom

O evento foi eleito o mais desafiador do campeonato e conta com 30% do total de pontos. Ele exige um alto nível de técnica e trabalho em equipe para guiar os botes através de 12 portões rio abaixo ou acima em poderosas corredeiras. É considerado irregularidade tocar, mover intencionalmente ou deixar de passar por um portão. Cada grupo faz o trajeto duas vezes e o seu melhor tempo é utilizado para determinar os resultados.

Downriver

É visto como o evento estrela e vale 40% da pontuação total. A corrida dura cerca de uma hora e é feita ao longo de uma seção de corredeiras contínuas. A capacidade técnica e a resistência são elementos considerados essenciais para garantir uma boa posição, que é crucial para as equipes que querem vencer o campeonato. Os pontos ganhos pelos times nas provas anteriores determinarão a sua posição no line-up inicial do Downriver.

Quais são as expectativas para 2019?

Este ano, o Campeonato Mundial de Rafting acontecerá na Austrália, no rio Tully, de 13 a 20 de maio e as expectativas são as melhores! Haverá as categorias masculino e feminino e as divisões serão: aberta, mestres (mais de 40 anos), menores de 19 e maiores de 23. As jangadas serão do tipo R6 e os organizadores esperam a participação dos mesmos 59 grupos do ano passado.

As taxas de inscrição custam 2.275 dólares australianos para equipes de até sete atletas, isto é, 325 dólares australianos por pessoa. Os pagamentos devem ser feitos diretamente à Federação Australiana de Rafting.

O evento começa só no dia 13, mas a partir de 9 de maio acontecerá uma pré-competição da qual a maioria das equipes deve participar. A expectativa é que elas façam um reconhecimento do rio para terem uma performance melhor na competição oficial.

No ano passado, o campeonato aconteceu na Argentina, nos rios Allumé e Ruca Choroy, que ficam na Villa Pehuenia na Patagônia. O evento foi realizado de 4 a 10 de novembro de 2018 e contou com 59 equipes de 21 países diferentes. Os resultados de acordo com cada categoria foram:

  • menores de 19 anos masculino — Argentina;
  • menores de 19 anos feminino — Argentina;
  • maiores de 23 anos masculino — República Tcheca;
  • maiores de 23 anos feminino — Rússia;
  • master + 40 masculino — República Tcheca;
  • master + 40 feminino — Estados Unidos;
  • open 1 masculino — República Tcheca;
  • open 2 masculino — Canadá;
  • open feminino — República Tcheca.

Apesar de não conseguir as primeiras colocações, a equipe brasileira chegou muito bem em várias categorias, subindo ao pódio em três delas, um resultado considerado excelente pelos esportistas. Para este ano, as expectativas de vitória são grandes e o grupo tem se preparado em Brotas, que é considerada a capital nacional de rafting. Porém, Argentina, República Tcheca e Rússia também têm grandes chances.

O Campeonato Mundial de Rafting reúne, além de adrenalina e ação, muita história e superação das equipes participantes. Neste artigo, você pôde ver que a modalidade cresceu aos longos dos anos e tem ganhado cada vez mais destaque. Embora exista esse grande evento, o esporte pode ser praticado de forma amadora. Mas é muito importante procurar uma empresa especializada e que proporcione a melhor experiência. Por isso, antes de qualquer coisa, pesquise bastante!

E aí, ficou com vontade de praticar? Então entre em contato com a Rio Abaixo e experimente este e outros esportes radicais!

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-